The Day Of The Doctor

by
(AVISO: Essa postagem pode e vai conter spoilers)

Já faz quase 1 mês que o especial de 50 anos de Doctor Who saiu e só agora tentarei falar sobre ele. Mas de início de conversa: CARAMBA. Não, sério, CARAMBA. Sabe quando você cria expectativas para uma coisa e se decepciona? Então, isso não aconteceu com esse especial. Minhas expectativas foram superadas a níveis inimagináveis. SÉRIO. Foi tudo lindo. Não esperava por algo tão wow, que mudasse tudo. Moffat você é ousado, e eu amo isso!

Loucuras a parte, para quem não conhece, Doctor Who é uma série britânica e que tem como personagem principal o Doctor, um time-lord que possuí um nave que “It’s bigger on the inside” chamada TARDIS, e com ela viaja pelo tempo e espaço. A série completou nesse 23 de novembro 50 anos. E como não é toda série que chega aos 50 anos, Doctor Who ganhou um episódio, praticamente um filme, em homenagem a suas bodas de ouro. Com direito a entrar em exibição em cinemas por todo mundo, inclusive aqui no Brasil pelo Cinemark (que infelizmente minha cidade não tem, resultado: nada de Doctor Who ]: em Maringá).

O especial ganhou o nome de “The Day Of The Doctor”, e sem dúvidas levou todo fã a loucura. Vamos aos porquês: primeiramente a abertura desse episódio foi a abertura da série clássica, o que já enche todo mundo de nostalgia logo de início. Depois, unir mais de um doctor sempre foi uma boa sacada, porque simplesmente não tem como não amar. Dessa vez eles uniram 3! (com uma participação especial do 4 e ainda surpresinhas com todos no final), e esses 3 são incríveis. John Hurt como o Doctor que renegou o nome, do qual os outros Doctors todos queriam esquecer, mas que se mostrou um vovô agradável. Depois o Tennant, AH Tennant, meu primeiro Doctor, aquele que a gente nunca esquece. E depois o Matt Smith, o 11, o atual, o Doctor que com o tempo e simpatia conseguiu me conquistar. Como se não fosse suficiente, ainda tinha as companions, com direito a volta da Rose, ou melhor, da Rose como Bad Wolf, que estava incrível, mas eu realmente queria que ela tivesse falado com o tenth, (“Bad wolf, I could kiss you” “Did you say bad wolf?”.. Ah doc, quase chorei nessa cena), e também tinha a Clara, ah Clara, você é o máximo!

Todo o desenrolar da história foi ótimo, 3 Doctors trabalhando juntos é mais que genial (apesar de nem um deles pensar que a porta poderia estar destrancada hahahaha), mas enfim, foi incrível. Mas o final, a parte final, foi de arrasar. Doctors, TODOS os 12 Doctors juntos, quer dizer.. “No Sir, all thirteen” (e que cena genial essa do Capaldi em!), todos os 13 juntos dando um final alternativo pra Guerra do Tempo, A GUERRA DO TEMPO! Quase não pude acreditar, foi sensacional! “Bad wolf, I could kiss you”! E o final, ah aquele final maluco.. Será que era mesmo o 4º Doctor? Será que temos um fim alternativo pro nosso amado Doctor? Oh God, e o nome do quadro “Gallifrey Falls No More”, NO MORE, NO MORE, NO MORE! Gallifrey ainda vive e a nova missão do Doctor é encontrá-la! Tá, por essa eu realmente não esperava. Ah, e tem mais uma, a última: mais um “I don’t wanna go” do Tennant é pra partir o coração de qualquer fã, a Doctor, eu também não queria que você fosse.

 

Acho que é isso, pode ter ficado tudo muito confuso, mas é difícil de mais descrever esse episódio. A palavra que talvez descreva tudo isso seja épico, foi ÉPICO, foi o melhor episódio desses 50 anos! Novas amarras, novos mistérios, e essa nova missão. Assim meu coração definitivamente não aguenta! Eu ri, eu chorei, eu gritei. Não esperava por tudo isso. Foi simplesmente FANTASTIC!
Acho que só poderia ser melhor (se é que dava pra ser melhor) se o Eccleston, o ninth, tivesse aparecido na hora da regeneração “I’d hope the ears are a bit less conspicuous this time” hahaha. <3
Então é isso, dá pra baixar o episódio legendado aqui e.. Allons-y!

No Comments Yet.

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *