Ao tentar encontrar a forma certa de falar, eu me calo. Ao tentar só criar algo bom, eu abaixo a minha caneta.

Um dia eu ouvi que não tinha idade o suficiente para falar. E eu acreditei. Também acreditei quando eles falaram que eu devia estudar mais para ter direito a uma opinião.

E eu estudei. Mas nunca era o suficiente. E aprendi a caminhar calada, de cabeça abaixada. Até que torpecei na versão de mim mesma que transbordava vida.

Ela pediu desculpas e estendeu uma mão para me ajudar a levantar do chão. Se ofereceu para caminhar comigo e de tão curiosa para saber mais sobre ela, aceitei.

Enquanto caminhávamos ela me contava da vida que ela levava. Era livre e corajosa e por mais que o mundo também repetia para ela as mesmas coisas que disse para mim, nessa outra versão de mim ela era nela que ela acreditava.

E ao acreditar ela se abria, estudava, falava, fazia e era. O que queria e gostava. E fazia por ela. Apenas para ser.

Confesso que ao ouvi-lá não me reconheci, por mais que conversar com ela fosse como conversar com meu reflexo no espelho.

E enquanto pensava sobre isso, a imagem a minha frente se inverteu e eu percebi. Ela sempre foi eu. E agora quando eu me olho no espelho eu me lembro que também sou ela.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

você também pode gostar de:

Aproveitar os picos e respirar fundo nas ladeiras.   ps: a foto de destaque é

Ela.

Ao tentar encontrar a forma certa de falar, eu me calo. Ao tentar só criar

Seria?

Às vezes penso que a vida seria melhor sem ela, mais fácil. Se ela aqui

feito com ♥ por Amanda Teló