____

Elena: um filme, duas vidas, uma intensidade

Elena simplesmente deixou de existir. E a diretora transformou isso em algo poético.

Poético no sentido de comover e emocionar. Poético no sentido de deixar uma herança artística. Petra, a diretora, era irmã de Elena. Uma jovem que sonhava em ser atriz assim como sua mãe, e simplesmente quando jovem, foi para Nova York. Mas a a solidão, a depressão e inúmeros outros problemas tornaram a  vida inviável para Elena, e ela acabou decidindo acabar com sua existência.

Mas ela deixou como legado para o mundo inúmeros registros de seu pequeno percurso por esse mundo. Sua irmã mais nova com alma poética e ainda marcada por essa perda resolveu fazer Elena viver novamente em seus 82 minutos de obra.

Para isso, Petra vai para Nova York e compilada todas essas pistas de uma existência, filmes caseiros, recortes de jornal, um diário, cartas. Tudo é tão intenso que faz Petra sentir que vê Elena, se sentir Elena.

Com todos esses pedaços de Elena, Petra constrói uma obra completa. E o que antes parecia sem um ponto final, ganhasse finalmente uma conclusão.

A diretora não fez a obra se afastando, ela colocou sua alma e ideia nela. Vemos Elena pelos olhos de Petra, mesmo que ela não estivesse lá no momento do registro.


Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on linkedin
LinkedIn

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Continue por aqui..

feito com ♥ por Amanda Teló