Elena: um filme, duas vidas, uma intensidade

Elena simplesmente deixou de existir. E a diretora transformou isso em algo poético.

Poético no sentido de comover e emocionar. Poético no sentido de deixar uma herança artística. Petra, a diretora, era irmã de Elena. Uma jovem que sonhava em ser atriz assim como sua mãe, e simplesmente quando jovem, foi para Nova York. Mas a a solidão, a depressão e inúmeros outros problemas tornaram a  vida inviável para Elena, e ela acabou decidindo acabar com sua existência.

Mas ela deixou como legado para o mundo inúmeros registros de seu pequeno percurso por esse mundo. Sua irmã mais nova com alma poética e ainda marcada por essa perda resolveu fazer Elena viver novamente em seus 82 minutos de obra.

Para isso, Petra vai para Nova York e compilada todas essas pistas de uma existência, filmes caseiros, recortes de jornal, um diário, cartas. Tudo é tão intenso que faz Petra sentir que vê Elena, se sentir Elena.

Com todos esses pedaços de Elena, Petra constrói uma obra completa. E o que antes parecia sem um ponto final, ganhasse finalmente uma conclusão.

A diretora não fez a obra se afastando, ela colocou sua alma e ideia nela. Vemos Elena pelos olhos de Petra, mesmo que ela não estivesse lá no momento do registro.


publicado
Categorizado como filme

Por Amanda Teló

Comunicóloga de formação, filmmaker de paixão e escritora por insistência. Amo viver realidades alternativas e contar histórias.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.