CAMINHOS ALTERNATIVOS E

Não faça parcelamentos

O despertador toca às 06:30 em ponto, mas minha soneca se estende por mais de 30 minutos. Por que ainda é tão difícil levantar da cama? Depois de muito relutar e lembrar que não posso me atrasar mais, tomo coragem e coloco os pés no chão. A água quente do chuveiro me dá mais vontade de ficar no conforto de casa, mas não posso. E por que não posso?

Ah, isso é uma curta longa história.

parcelar contas

Ganhei meu primeiro salário quando eu tinha 18 anos. A primeira coisa que fiz? Parcelei um Kindle em 12 vezes no cartão. Depois disso, vieram várias outras pequenas parcelas e elas nunca pararam. Assim comprei minha câmera, roupas novas, viajei. Nunca me arrependi dessas escolhas, até que elas saíram do controle.

O difícil de administrar cartões é que eles te dão a sensação de que você vive com dinheiro, mas a realidade é que não vive. Na verdade, graças a ele, você vive com dívidas.

E isso nos leva de volta ao início do dia, com o despertador tocando. Eu te pergunto, por que uma pessoa que tem a escolha de ter uma vida mais livre, talvez fazendo seu próprio horário, vivendo aventuras e experimentando coisas, escolhe acordar 06:30 e só voltar pra casa às 19:00? Sem filhos, casa pra manter, ou parentes que necessitam de ajuda?

Alguns dizem paixão, outros dizem “vida adulta”, mas eu, infelizmente, continuo nessa escolha pelos parcelamentos. Claro, existem pessoas que se satisfazem com essa vida, talvez um dia ela volte a me satisfazer também, mas não agora. Sim. Mentiria se dissesse que foi sempre assim, teve a época em que eu amava o que fazia, teve também a que eu me via evoluindo, até teve a que eu ficava grata por ter a melhor rotina, com o melhor emprego da vida. Mas esse tempo se foi.

Agora me vejo presa, presa a um emprego que não me gera felicidade, em uma rotina que eu não vejo propósito e tudo pelo que? Pelos parcelamentos. Você deve estar pensando: ah, então troca de emprego! Sim, é uma possibilidade e estou correndo atrás disso, mas sabemos que o ciclo será reestabelecido e esse ciclo não faz mais sentido pra mim.

Eu sempre tive sonhos, sonhos mesmo porque nunca notei que eles poderiam se tornar realidade. Mas agora coloco eles no papel e vejo que são possíveis. Claro, não ainda, afinal, tem os parcelamentos. Parcelamentos que me impedem de juntar dinheiro, de comprar coisas que seriam necessárias pra me aventurar nesses sonhos, de pedir demissão e mudar completamente de vida, sair dessa vida. Não acho que mudar isso será a fonte de felicidade suprema, mas tenho certeza que trará novamente algo. Aquele algo que eu senti quando comecei a faculdade, ou quando entrei na empresa onde trabalho atualmente. Aquele algo que essa vida não me traz mais. 

liberdade

Por agora, só sei que quero sair. Sair dessa vida ansiosa, que não espera para ter as coisas, que enjoa enquanto ainda tá pagando, que vive com dor de cabeça assim que o mês se encerra. Que vive o hoje sofrendo pelo ontem inconsequente, ansiosa pelo amanhã incerto e ferrando todas as possibilidade de sair desse ciclo. Encontrando felicidade em bens materiais e no status que eles trazem. 

Mas estou trabalhando nisso, quitando mês a mês essa vida que criei desde o meu primeiro salário. Se será um caminho fácil? Não, mas eu preciso me livrar dos parcelamentos, das amarras que me prendem a uma vida que um dia eu amei, mas que hoje pago por ela em 12 vezes no cartão. 

Boa sorte para nós que escolhemos a liberdade.

MAIS PARA LER:

Here we go again

Era 16 de dezembro de 2017 quando eu apertei o REC da câmera porque queria tentar. Tentar ser eu, tentar continuar, tentar mudar. Só sobreviver não tava sendo uma boa escolha. Então eu arrumei minhas malas, saí

O futuro é fluido

Escute esse post  Olá, meu nome é Amanda e eu gosto de tudo. Acho que isso se desenvolveu quando eu decidi blogar lá em 2010, naquela época como um hobbie mesmo. Aí eu tinha que fazer

Inquieta

Hoje eu acordei inquieta. Geralmente quando me sentia assim eu escrevia, mas já faz tanto tempo que eu nem sei mais se sei fazer. Será que escrever é como andar de bicicleta? Vamos descobrir.      Acordei

10 respostas

  1. Muito legal seu texto!! Administrar o dinheiro pode ser um desafio e tanto! Eu sou muito neurótica com essas coisas, não gosto de parcelar nada. Muitas vezes deixo de comprar as coisas pra evitar isso de pagar aos poucos.

    bjs
    blogtrashrock.com

  2. Ai Amanda, difícil demais essa vida de parcelamentos. Boa sorte para se livrar dessa prisão. Eu sou a louca do pagamento à vista e nem tenho mais a opção crédito no meu cartão. Não parcelar obriga a gente a realmente pensar melhor nas nossas escolhas e não comprar nada por impulso. um beijo! :*

  3. Oi Amanda, tudo bem?
    Me identifiquei e muito com o que você escreveu. E é uma coisa tão louca que esse habito, nada saudável, acabe se tornando um efeito cascata tão devastador na nossa vida, que só percebemos quando a coisa fica séria. Costumo dizer que parcelamento não é de Deus, rsrs mas ele é saudável quando temos um bom controle das nossas finanças. Espero que 2018 seja o ano da conclusão dos parcelamentos pra todos nós, e dos projetos em progresso.
    Abraços flor.
    Amanda Almeida

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

CAMINHOS ALTERNATIVOS E OUTRAS HISTÓRIAS

INSTAGRAM

Feito com ❤ por Amanda Teló